A UPEC se propõe a ser uma voz firme e forte em defesa da ética na política e na vida nacional e em defesa da cidadania. Pretendemos levar a consciência de cidadania além dos limites do virtual, através de ações decisivas e responsáveis.


quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

A arrecadação de impostos pelos governos municipais, estaduais e federal somou R$ 200 bilhões ontem à noite. As informações são do Impostômetro, painel eletrônico que fica na fachada do prédio da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), e tem versão na internet ( www.impostometro.com.br )

O Impostômetro mostrou que, pela primeira vez, a arrecadação alcançou os R$ 200 bilhões no 22º dia de fevereiro, de acordo com o Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBPT). No ano passado, esse montante foi atingido no dia 26 de fevereiro e, em 2009, em 9 de março.

Gula – O forte apetite do Leão indica que, neste ano, a arrecadação poderá ter expansão de 10% em comparação com o total obtido em 2010. Segundo o presidente do IBPT, João Eloi Olenike, a gula do Leão em 2011 é sem precedentes. Isso poderá levar a cifra final deste ano para R$ 1,4 trilhão em tributos. Em 2010, os governos arrecadaram um total de R$ 1,269 trilhão. "Tudo indica que teremos em 2011 outro recorde. Mas percebemos que o crescimento da receita tributária é superior ao da própria economia do País", disse o economista-chefe da ACSP, Marcel Solmeo.

Ele lembrou que as estimativas são de que o Produto Interno Bruto (PIB) cresça 4,5% em 2011. "Isso significa que uma parcela cada vez maior da produção da sociedade brasileira está sendo canalizada para os governos, com o agravante de que a contrapartida em serviços não melhora em nada", acrescentou o economista.

Com R$ 200 bilhões em tributos seria possível que os governos construíssem e equipassem 796 mil postos de saúde ou fizessem 2,4 milhões de quilômetros de redes de esgoto em todo o Brasil. O dinheiro seria suficiente também para a construção de 9 milhões de casas populares de 40 m².


Recebido por e-mail

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

Kadafi resiste em meio a um banho de sangue

Kadafi resiste em meio a um banho de sangue

A rebelião líbia é até agora a mais sangrenta das revoltas que varreu o mundo árabe com uma velocidade surpreendente, nas últimas semanas, derrubando autocratas no Egito e na Tunísia, e desafiando os outros no Bahrein e Iêmen. Mesmo os que já esperavam uma reação cruel e violenta por parte do coronel Kadafi, assutam-se com o que já aconteceu e temem com o que estar por vir

O líder líbio, coronel Muamar el Kadafi, prometeu nesta terça-feira, num pronunciamento pela TV, morrer na Líbia como um mártir.

"Eu não vou deixar esta terra, morrerei aqui como um mártir", disse Kadafi na televisão estatal. Recusando os pedidos feitos por seus próprios diplomatas, soldados e aos manifestantes das ruas que exigem o fim de seu governo de quatro décadas.

"Muammar Kadafi é o líder da revolução. Não sou um presidente para renunciar... Este é o meu país. Muammar não é um presidente para deixar o cargo, Muammar é o líder da revolução até o final dos tempos."

"Eu permanecerei aqui desafiador", completou Kadafi, falando do lado de fora de uma de suas residências, bastante danificada num bombardeio dos Estados Unidos de 1986 durante uma tentativa de assassiná-lo.

No pronunciamento, sinuoso como de hábito, Kadafi, que fala, dele mesmo, na terceira pessoa, pediu que seus partidários saíssem às ruas, dizendo que os manifestantes estavam condenados à pena de morte. Ele também prometeu uma reformulação vaga nas estruturas do governo.

Kadafi disse ainda que os responsáveis pelos distúrbios são "ratos e mercenários" que querem transformar a Líbia em um Estado islâmico.

O líder afirmou que vai "limpar casa a casa da Líbia" se os manifestantes não se renderem.

Ironicamente disse que ainda não usou a força contra os manifestantes, mas que o fará se for necessário.

"Protestos pacíficos são uma coisa, mas rebelião armada é outra", disse.

Mais cedo, testemunhas que atravessaram a fronteira da Líbia com o Egito disseram que Kadafi estava usando tanques, caças e mercenários no esforço de sufocar a rebelião, aparentemente incontrolável.

Na cidade de Tobruk, no leste do país, um correspondente da Reuters no local afirmou que agora só podiam ser ouvidas explosões esporádicas, um sinal recente de diminuição do poder de fogo de Kadafi.

A agência da Organização das Nações Unidas (ONU) para os refugiados, pediu que os vizinhos da Líbia concedam refúgio aos que fogem da insurreição, deflagrada por décadas de repressão e pelas revoltas populares que derrubaram os líderes da Tunísia e do Egito.

No lado líbio da fronteira com o Egito, rebeldes anti-Kadafi armados com porretes e fuzis Kalashnikov saudavam os visitantes. Um homem levava um retrato de Kadafi de ponta cabeça com as palavras "o tirano carniceiro, assassino de líbios", disse um correspondente da Reuters que entrou na Líbia pela fronteira.

Milhares de egípcios - há cerca de 2 milhões na Líbia - que lá trabalhavam e residiam estão abandonando o país, 15.000 já haviam cruzado a fronteira.

Na cidade de Al Bayda, no leste do país, o morador Marai Al Mahry disse à Reuters por telefone que 26 pessoas, incluindo seu irmão Ahmed, foram mortos a tiros durante a noite por simpatizantes de Kadafi.

"Eles atiram em você apenas por andar nas ruas", disse ele, soluçando sem parar enquanto pedia ajuda.

Manifestantes foram atacados com tanques e aviões de guerra, afirmou ele.

"Foi uma quantidade obscena de tiros", disse uma testemunha, segundo o “The New York Times” falando também do confronto de Trípole. "Eles metralhavam as pessoas que corriam em todas as direções."

"O tiroteio não foi concebido para dispersar os manifestantes", disse um morador, identificado apenas como Waleed. "Ele foi utilizado para matá-los."

A Human Rights Watch afirmou que 62 pessoas morreram nos confrontos em Trípoli nos últimos dois dias, somando-se à conta anterior de 233 mortos. Grupos de oposição apontam para um número muito maior.

A chefe dos direitos humanos da ONU, Navi Pillay, afirmou que a matança poderá ser considerada crime contra a humanidade e exigiu uma investigação internacional.

Desde que se falou que as revoltas que foram bem sucedidas na Tunísa e no Egito espalhar-se-ia pelo mundo árabe, sabia-se que quando esse surto de anseio de liberdade chegasse à Líbia as coisas iam ser mais difíceis, mais cruéis, mais desumanas.

O ditador líbio, coronel Muamar el Kadafi, 68 anos, é um homem violento na essência, está no poder por quase 42 anos, e governa com as mãos ensanguentadas, desde 1 de Setembro de 1969, quando liderou uma revolução e depôs o velho rei Idris I, 91 anos, que estava há 18 anos no trono.

Logo após a tomada do poder Kadafi declarou ilegais as bebidas alcoólicas e os jogos de azar, exigiu e obteve a retirada americana e inglesa de bases militares e expulsou as comunidades judaicas.

Nos anos 90 passou a ser o vilão do planeta por financiar toda a espécie de terrorismo contra americanos e seus aliados, principalmente contra Israel.

Entre as proezas de financiamento terroristas de Kadafi, estão o “atentado de Lockerbie” quando uma bomba explodiu no voo 103 da Pan Am em 21 de dezembro de 1988, quando sobrevoava a cidade escocesa de Lockerbie, matando 270 pessoas (259 no avião e 11 na terra). Entre os mortos 189 eram cidadãos americanos.

Também financiou e apoiou o grupo terrorista conhecido como Setembro Negro responsável pelo massacre de Munique, onde 11 atletas israelenses foram assassinados durante as Olimpíadas de 1972.

Nos últimos 11 anos, por ter adotado uma política externa sem agressões diretas, começou a ser aceito lentamente pela comunidade internacional. Havia ficado livre das sanções que lhe haviam sido impostas tanto pela ONU, quanto pelos Estados Unidos.

Agora Kadafi sente o hálito da multidão no seu cangote autoritário e reage como um leão enfurecido.

Nesta segunda-feira surgiram especulações de que Khadafi havia deixado Trípoli.O chanceler britânico, William Hague, disse ter informações sobre uma possível ida de Khadafi à Venezuela, o que foi negado pelo governo venezuelano e depois pelo próprio Kadafi, que fez uma breve aparição na TV estatal, para dar fim aos rumores:

"Eu quero mostrar que estou em Trípoli e não na Venezuela", disse Kadafi, para câmeras. Aproveitou para chamar os proprietários dos canais de notícias que haviam informado sua fuga do país, de "cães vadios".

O correspondente da BBC no Cairo Jon Leyne relata que Khadafi aparentemente perdeu o apoio da maioria dos setores da sociedade.

Nesta segunda-feira, em ato de rompimento com o líder, membros da delegação de diplomatas da Líbia na Organização das Nações Unidas pediram uma intervenção internacional contra a onda de violência no país.

O vice-embaixador da Líbia, na ONU, Omar Al-Dabbashi, fez um apelo por proteção aos cidadãos, alegando que está em curso um "genocídio" patrocinado pelo governo líbio contra manifestantes.

O embaixador da Líbia nos Estados Unidos, Ali Aujali, renunciou e pediu a saída de Muamar Kadafi do poder, junta-se a outros embaixadores da Índia, China e Austrália, que decidiram deixar o cargo em protesto contra o uso da violência. De acordo com o jornal “Quryna”, o ministro da Justiça, Mustafa Abdal Khalil, também renunciou pelo mesmo motivo.

Al Manara, um site Web da oposição, informou que um alto oficial militar, o coronel Abdel Fattah Younes em Benghazi, resignado, o jornal Asharq al-Awsat informou que o coronel Kadafi havia ordenado que um dos seus principais generais, Abu Bakr Younes, ser colocado sob prisão domiciliar depois de desobedecer uma ordem para usar força contra manifestantes em várias cidades.

Dois pilotos de caça da Líbia a quem ele ordenou a bombardear os manifestantes mudaram de curso e, em vez desertaram para Malta, de acordo com funcionários do governo maltês citado pela Reuters.

O governo líbio tem tentado impor um blecaute de informação do país. Os jornalistas estrangeiros não podem entrar. Acesso à Internet foi quase totalmente cortado, apesar de alguns manifestantes parecem estar usando conexões via satélite. muitas novidades sobre o que está acontecendo veio a partir de entrevistas por telefone com as pessoas dentro do país. Vários moradores relataram que o serviço de telefonia celular foi para baixo, e até mesmo serviço de telefone fixo esporádicos.

"Há mortos nas ruas, você não pode mesmo buscá-los", disse ele por e-mail. "O Exército está atirando em todo mundo. Isso não impediu as pessoas de continuar. "

Embora o resultado da batalha é impossível determinar, alguns manifestantes disseram que o derramamento de sangue em Tripoli apenas redobrou sua determinação.

"Ele nunca vai abandonar seu poder", disse um deles, Abdel Rahman. "Este é um ditador, um imperador. Ele vai morrer num estalar de dedos. Já não estamos com medo. Estamos prontos para morrer depois do que vimos."

http://thepassiranews.blogspot.com/2011/02/libia-kadafi-resiste-em-meio-um-banho.html

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011
Exclusivo! Na calada da noite, Guerra conspira contra Serra.



Apartamento de Severino Sérgio Estelita Guerra, em Brasília, ontem à noite. Vão chegando os comensais. Furtivamente. Prato da noite: tucano degolado e frito na banha. Chegam os senadores Aécio Neves, Lúcia Vânia, Papaléo Paes e Cícero Lucena. Um a um também vão chegando 32 deputados federais tucanos. Severino Sérgio Estelita Guerra, que há três anos atrás foi eleito presidente do PSDB graças ao apoio de José Serra, começa o seu discurso de anfitrião: nenhuma proposta para o PSDB, apenas ataques virulentos contra quem o colocou onde está. Fofocas. Ofensas. Agressões. Baixarias. A postura foi tão cheia de ódio e rancor que nem mesmo o maior interessado na derrota de Serra se posicionou. Recolheu-se diante de um transtornado companheiro de partido e optou por ficar, espertamente, em cima do muro. Muitos deputados neófitos ficaram escandalizados. Embasbacados com o baixo nível. Os telefones não pararam de tocar a partir das 23 horas, quando o encontro terminou. A sensação entre os presentes foi de que aquele abaixo-assinado de alguns dias atrás havia virado uma travessura perto do que ocorreu dentro do apartamento de Severino Sérgio Estelita Guerra. A guerra está declarada. O jogo é muito sujo. Estão querendo destruir a oposição no Brasil. E é a própria oposição quem está fazendo isso. Caberá a Geraldo Alckmin mediar um acordo. Para onde o paulista for, o partido irá.

Postado por O EDITOR


http://coturnonoturno.blogspot.com/2011/02/exclusivo-na-calada-da-noite-guerra.html

terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

Irena Sendler morreu...sabes quem era?

Nem sempre o prémio é atribuído a quem mais o merece...

Irena Sendler

Uma senhora de 98 anos chamada Irena faleceu há pouco tempo.

Durante a 2ª Guerra Mundial, Irena conseguiu uma autorização para trabalhar no Gueto de Varsóvia, como especialista de canalizações.

Mas os seus planos iam mais além... Sabia quais eram os planos dos nazistas relativamente aos judeus (sendo alemã!)

Irena trazia crianças escondidas no fundo da sua caixa de ferramentas e levava um saco de sarapilheira na parte de trás da sua caminhoneta (para crianças de maior tamanho). Também levava na parte de trás da caminhoneta um cão a quem ensinara a ladrar aos soldados nazis quando entrava e saia do Gueto.

Claro que os soldados não queriam nada com o cão e o ladrar deste encobriria qualquer ruído que os meninos pudessem fazer.
Enquanto conseguiu manter este trabalho, conseguiu retirar e salvar cerca de 2500 crianças.

Por fim os nazistas apanharam-na e partiram-lhe ambas as pernas, braços e prenderam-na brutalmente.

Irena mantinha um registo com o nome de todas as crianças que conseguiu retirar do Gueto, que guardava num frasco de vidro enterrado debaixo de uma árvore no seu jardim.

Depois de terminada a guerra tentou localizar os pais que tivessem sobrevivido e reunir a família. A maioria tinha sido levada para as câmaras de gás. Para aqueles que tinham perdido os pais ajudou a encontrar casas de acolhimento ou pais adotivos.

No ano passado foi proposta para receber o Prêmio Nobel da Paz... mas não foi selecionada. Quem o recebeu foi Al Gore por uns dispositivos sobre o Aquecimento Global.

Não permitamos que alguma vez esta Senhora seja esquecida!!




Passaram já mais de 60 anos, desde que terminou a 2ª Guerra Mundial na Europa. Este e-mail está a se reenviando como uma cadeia comemorativa, em memória dos 6 milhões de judeus, 20 milhões de russos, 10 milhões de cristãos e 1.900 sacerdotes católicos que foram assassinados, massacrados, violados, mortos à fome e humilhados com os povos da Alemanha e Rússia olhando para o outro lado.
Agora, mais do que nunca, com o Iraque, Irã e outros proclamando que O Holocausto é um mito, é imperativo assegurar que o Mundo nunca esqueça.
A intenção deste e-mail é chegar a 40 milhões de pessoas em todo o mundo
Une-te a nós e sê mais um elo desta cadeia comemorativa e ajuda a distribuí-la por todo o mundo..

sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

Porque Aécio Neves não merece confiança.

Não é só porque traiu vergonhosamente a oposição em 2002, 2006 e 2010, entregando Minas Gerais para o petismo. É porque jogou fora as chances de 2014 e 2018, a não ser que surja um novo nome na oposição ou que um Egito ou um Haiti desabem sobre o Brasil. Por que Aécio Neves trabalha, hoje, para destruir o DEM? Para evitar que surja uma Kátia Abreu ou um Indio da Costa. Por que Aécio trabalha, hoje, para dividir o próprio PSDB? Para evitar que surja um Geraldo Alckmin ou mesmo um José Serra, novamente. Aécio Neves é um político destrutivo. É da sua natureza. É da sua trajetória. Com uma oposição fraca, ele pode fazer alianças com outros partidos, independente do que defendam, estejam à direita ou à esquerda. Não é assim que ele fez em Minas? Abaixo, um post publicado neste blog, em fevereiro passado. Cliquem para ampliar e ler.
Cliquem para ampliar e ler.



http://1.bp.blogspot.com/_2HFE9v9JMGY/TUvfqH9vPFI/AAAAAAAALsg/2T1hSIVB2dw/s1600/post.jpg

http://coturnonoturno.blogspot.com/2011/02/porque-aecio-neves-nao-merece-confianca.html

De esquerda ou direita?

Quando um tipo de direita não gosta das armas, não as compra.
Quando um tipo de esquerda não gosta das armas, quer proibi-las.

Quando um tipo de direita é vegetariano, não come carne.
Quando um tipo de esquerda é vegetariano, quer fazer campanha contra os produtos à base de proteínas animais.

Quando um tipo de direita é homossexual, vive tranquilamente a sua vida como tal.
Quando um tipo de esquerda é homossexual, faz um chinfrim para que todos o respeitem.

Quando um tipo de direita é prejudicado no trabalho, reflete sobre a forma de sair desta situação e age em conformidade.
Quando um tipo de esquerda é prejudicado no trabalho, levanta uma queixa contra a discriminação que foi alvo.

Quando um tipo de direita não gosta de um debate emitido por televisão, apaga a televisão ou muda de canal.
Quando um tipo de esquerda não gosta de um debate emitido por televisão, quer prosseguir em justiça contra os sacanas que dizem essas sacanices. Se for caso disso, uma pequena queixa por difamação será bem-vinda.

Quando um tipo de direita é ateu, não vai à igreja, nem à sinagoga nem à mesquita.
Quando um tipo de esquerda é ateu, quer que nenhuma alusão à Deus ou à uma religião seja feita na esfera pública, exceto para o Islão (com medo de retaliações provavelmente).

Quando um tipo de direita tem necessidade de cuidados médicos, vai ver o seu médico e seguidamente compra os medicamentos receitados.
Quando um tipo de esquerda tem necessidade de cuidados médicos, recorre à solidariedade nacional.

Quando a economia vai mal, o tipo de direita diz que é necessário arregaçar as mangas e trabalhar mais.
Quando a economia vai mal, o tipo de esquerda diz que os sacanas dos proprietários e a elite, são os responsáveis e punem o país.

Teste: quando um tipo de direita lê este teste, ele o repassa.
Quando um tipo de esquerda o lê, cuida de jamais repassá-lo!

Do original francês
De gauche ou de droite?

terça-feira, 1 de fevereiro de 2011

REALMENTE O BRASIL VIROU UMA REPUBLIQUETA........SEM ÉTICA, SEM RESPEITO ÀS LEIS, SEM RESPEITO À EDUCAÇÃO, SEM MORAL!

Campanha "Devolve, Lula"

URGENTE: PRENDER O MELIANTE E DEVOLVER OS PRODUTOS SUBTRAÍDOS.

Se perguntarmos ao amigo Armadinejad, do Irã, ele recomendaria: CORTAR AS MÃOS OU APEDREJAR ATÉ MORRER ???

A legislação brasileira e de vários outros países civilizados, determina que os presentes ganhos pelo Presidente da República, no exercício da função, sejam incorporados ao patrimônio público, por serem considerados propriedade do estado.
Lula e sua família, ao deixarem o Palácio da Alvorada, levaram todos os presente recebidos, inclusive uma coleção de joias raras recebida do presidente de Egito, já registradas no acervo da presidência da república. Todos os objetos ocuparam 18 caminhões de mudança rumo a São Bernardo.
D. Marisa, a Italiana, disse que as jóias eram delas e as colocou na sua bagagem.
Funcionários antigos do Alvorada ficaram horrorizados quando perceberam a falta de diversos objetos de arte e peças de alto valor, tais como estatuetas e a faqueiros.
Durante o rescaldo do grande saque às instalações palacianas, observou-se que os Silva haviam surrupiado, inclusive, o crucifixo que há décadas adornava a sala de visitas do Presidente da República.
O problema é que aquela imagem do Cristo crucificado é tida como milagrosa e adorada pelos que lá trabalham.

O pior é que o povo brasileiro, impressionado com o roubo do crucifixo presidencial, sente que o Brasil vem, desde então, sendo castigado por Deus, através de fenômenos da natureza.
O grande número de ciclones ocorridos no sul do pais e, principalmente, a tragédia na região serrana fluminense seriam resultantes da ira divina pela ação dos Silva.

 Em vista deste descalabro e por temor da ira divina, foi lançada a campanha de recuperação do patrimônio público nacional:

"Devolve, Lula...!"

.

A Folha de S. Paulo, publicou a informação de que a presidente Dilma Rousseff, em sua primeira semana de trabalho, retirou o crucifixo da parede de seu gabinete e a bíblia de sua mesa.

Helena Chagas, ministra chefe da Secretaria de Comunicação Social, através de seu twitter, contradisse a informação divulgada pela Folha. Segundo ela, “a presidenta Dilma não tirou o crucifixo da parede de seu gabinete. A peça é do ex-presidente Lula e foi na mudança. Aliás, o crucifixo, que Lula ganhou de um amigo no início do governo, é de origem portuguesa”. Segundo Chagas, a bíblia continua lá, em uma sala contígua, em cima de uma mesa. A mesma informação está em nota da Secom.


Agora, a pergunta que não quer calar...


Se o crucifixo era presente recebido por Lula, como o objeto poderia estar presente nesta foto de Itamar tirada no gabinete presidencial há dezoito anos atras?



POR ISSO, VAMOS TODOS, EM CORO, EXIGIR:

Devolve, Lula...!!!

QUI SFINCTER HABET...TIMOREM POSSUIT.
Regis Naldus